Mudança?

26 jul

GLAUCO DIZ: Saiu ontem na Ilustrada, da Folha de S.Paulo, uma entrevista bem legal com o britânico Malcom McLaren, criador dos Sex Pistols e responsável pelo impulso ao movimento punk no mundo. A matéria escrita por Marco Aurélio Canônico para marcar os 30 anos de “Nevermind the Bollocks”, primeiro álbum dos Pistols, me fez pensar em algumas coisinhas… Mas, antes de chegar a elas, acho que vale dar um pequeno panorama histórico do que foi o movimento.

Um pouquinho de história

sex-pistols.jpg

Os Sex Pistols

Aclamado como o último grande movimento jovem de contracultura, o punk tem como marco zero novembro de 1975, data do primeiro show dos Sex Pistols, realizado na St. Martins Art School, em Londres. Ainda que bandas norte-americanas como Television, Stooges e Ramones já estivessem fazendo o punk rock acontecer como gênero musical, foi com os Pistols que o “do it yourself”, lema máximo do punk, ganhou corpo e se alastrou pelo mundo. O grupo foi idealizado pela dupla Vivienne Westwood, até então uma simples dona de loja (chamava-se Sex), e seu marido, o empresário Malcolm McLaren. A idéia de McLaren, como ele até conta na matéria da Folha, era “causar”, fazer sua própria arte, subverter a ordem dominante da Inglaterra de Thatcher.

dois.jpg

Vivienne Westwood em vários momentos e o maridão, Malcolm McLaren

Filhos de operários vindos dos subúrbios ingleses e sem voz ativa na sociedade, os punks eram o lado B do bom-mocismo hippie (punk detesta essa idéia, mas é verdade). O som era mais do que básico. Três acordes, tocados em velocidade máxima acompanhando letras que falavam em “no future” e “anticristo”. Tudo isso adornado por um visual radical (o punk foi, antes de mais nada, visual), que incluía alfinetes, calças jeans apertadas, camisetas surradas, tênis rasgados, jaquetas de couro e cabelos coloridos. Um verdadeiro escândalo para a sociedade de então.

Sex Pistols cantando o clássico “God Save the Queen”

E foi esse choque dos conservadores ante o aspecto bizarro daqueles jovens que garantiu a visibilidade do movimento nascente. Ou seja, a moda punk, creditada em muito a Vivienne Westwood, foi um importante instrumento para a divulgação da ideologia que surgia. O visual agressivo era o diferencial entre os conformados e os rebeldes, aqueles que desdenhavam a indústria da moda e do consumo fácil.

Punk de boutique e o “mundo de karaokê”

roupas.jpg

À esq., fachada da loja Sex, de Vivienne Westwood. Ao lado, algumas criações da estilista no começo da década de 70.

Hoje, três décadas depois, discute-se como os preceitos do punk vêm sendo encarados na sociedade contemporânea. Uma das críticas recorrentes ao movimento é que suas bravatas já foram completamente assimiladas pela onipresente indústria cultural, transformando-o em mais um dos subprodutos do capitalismo. Em outras palavras, a anarquia virou mercadoria e a moda alternativa já não é mais tão alternativa assim. O que fazia sucesso entre os jovens no começo do punk e provocava arrepios nos pais da época não causa mais preconceito: “meninas de família” usam piercing e têm tatuagens, assim como atrizes das novelas. Isso deixou de ser marca registrada de um mundo underground, e o “monstro” foi desmistificado. É fácil encontrar camisetas, que antes eram pintadas e customizadas no fundo de casa, em grandes magazines. Cavalera, Sommer, Alexandre Herchcovitch, Triton, só para citar alguns brasileiros, já cansaram de mostram suas criações inspiradas nos porões de antigamente nas passarelas.

punks.jpg

Entre os adolescentes, a maior influencia punk vem, paradoxalmente, de bandas e cantores pop, como Blink 182, Good Charlotte, Green Day e até Avril Lavine. O mais interessante é que nenhum desses jovens assume seguir uma moda e o que é pior: abominam recém-chegados ao movimento por “não conhecerem a filosofia” (pega uma revista teen qualquer que você vai entender o que estou dizendo). Eles encaram mal o fato de tatuagens, piercings e coturnos terem se massificado, criando uma espécie de preconceito e isolamento dentro do próprio grupo. Engraçado isso, né? Mas eles refletem algo muito comum: a disputa pra ver quem é mais punk (ou mais indie ou mais fashion…). E no fundo, no fundo, para mim, acaba sendo tudo igual. McLaren no final da entrevista à Folha, vai mais fundo: “Vivemos em um mundo de karaokê. A conexão das pessoas com a terra e a cultura está desaparecendo rapidamente, substituída pelo mundo globalizado… A indústria musical está morrendo, a moda foi explorada a ponto de ficar saturada e corporativa”. Para ele, esse cenário onde tudo é igual e tudo é “commodity, produto” está abrindo espaço para outra mudança radical. Mas, que mudança? Para onde? Será mesmo? Fica a minha dúvida.

Pós-post

sexp.jpg

Sex Pistols em dois momentos e, à dir, o malucão, Sid Vicicius todo ensangüentado no palco

– Na wikipedia tem um ótimo resumo sobre a evolução da moda punk… Desde o surgimento, passando pelo anarcopunk e indo até os dias de hoje, com o chamado pop punk. É interessante.

– Para quem mora em Londres, rola até o começo de Setembro a exposição “Panic Attack!“, no The Barbican. A mostra traz uma coletânea de fotos, pinturas, filmes, vídeos e performances de artistas que documentaram ídolos como Sid Vicious e o efeito de seu lifestyle na juventude da época. Obras de artistas americanos, como Basquiat, também integram o evento.

– Pra terminar, um trecho do documentário “Islington Squatter Punk”, de 1983:

Anúncios

7 Respostas to “Mudança?”

  1. Luigi 26 de julho de 2007 às 8:08 pm #

    Adorei o post!!! Compensou o atraso! hhehehe
    Então, acho que estamos todo em busca dessa mudança, mas acho que ninguém sabe ainda como…

  2. romeuuu 26 de julho de 2007 às 11:12 pm #

    “Eu vejo o futuro repetir o passado/
    Eu vejo um museu de grandes novidades/”

  3. Glauco Sabino 27 de julho de 2007 às 12:20 am #

    Luigi, sobre seu comment: eu acho que a gente quer, deseja uma mudança. Mas, será que estamos buscando mesmo? Como? Aliás, que mudança é essa? rs Bjo!

  4. dusinfernus 27 de julho de 2007 às 6:46 am #

    amo a expressão punk de boutique, porque afinal o punk nasceu numa boutique mesmo
    bela retrospectiva do movimento que mais amo!

  5. Ale Carvalho -Lain 27 de julho de 2007 às 6:45 am #

    Parabéns, Glauco! O seu texto ficou bem!.

Trackbacks/Pingbacks

  1. O ESCONDERIJO DE VIVIENNE WESTWOOD « ./ It’s Fashion London - 28 de julho de 2007

    […] o post do Glauco no Blog View sobre o punk e as influências da inglesa Vivienne Westwood para o movimento. A minha estréia na […]

  2. Oficina de Estilo » Blog Archive » vivienne westwood: parceria com a melissa - 20 de dezembro de 2007

    […] dessa banda. Por isso ela é considerada responsável por levar pra rua (pra vida real!) o fundamento punk, porque fazia roupas com esses elementos que vendia na sua loja (chamada ‘Sex’ no […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: