Guignard revisitado

29 jul

guignard-gemeas017.jpg

“As gêmeas” de Guignard

BITI DIZ: Houve um tempo em que eu achava que não gostava de bijuterias. Usava um anel de prata, um relógio bacana, eventualmente uma peça antiga, de família ou de brechó, e só. Meu minimalismo durou até o dia em que conheci Mary Figueiredo Arantes e suas criações para a Mary Design. Rolou um encantamento instantâneo e num segundo foi-se embora minha atitude blasé. Eu parecia uma criança na frente de uma vitrine de doces, queria provar tudo. E a exlicação para esse acesso de  desejo é muito simples: pela primeira vez tinha encontrado bijuterias com alma, peças que pareciam carregar histórias e segredos, que não eram “a cara da estação”.

Desde então espero ansiosamente pelas coleções e catálogos, feitos com muito cuidado, por Mary e sua equipe. Esta, que acaba de chegar, chama-se “A Flor do Abacate” e celebra a obra do pintor fluminense Guignard.

guignard-flor-abacate015.jpg

“A Nova Flor do Abacate” era o nome do curso criado pelo pintor ao retornar da Europa, em 1929. As aulas aconteciam na casa que tinha sediado um cabaré, conhecido como A Flor do Abacate. Aliás, a tal flor possui os órgãos feminino e masculino e dura apenas dois dias.

guignard-marinheiro007.jpg

“Marinheiro”, de Guignard

“Guignard foi um apaixonado, seus famosos cadernos, recheados de bilhetes e cartões de amor platônico são um caso à parte em sua obra.” Mary F. Arantes

guignard-colar-marinheiro010.jpg

Dizem que Guignard costumava começar suas aulas assim: “Minhas senhoras e meus senhores, hoje vou apresentá-los ao amarelo”.

guignard-amarelo008.jpg

“Cidades e cores aéreas, corações e balões no espaço, delicados signos e fragmentos do desenho e da pintura de Guignard que, emprestados, ganham, numa nova linguagem, a dimensão de verdadeiros adereços de arte.” Letícia Julião, superintendente de Museus do Estado de Minas Gerais

guignard-detalhe-flor-abacate016.jpg

“Guignard traduziu em traço e cor o seu mundo interior, particular e único. Um belo mundo tanto na dramaticidade de seus santos flagelados quanto na exuberância de suas flores e na delicadeza de suas cidades imaginárias.” Priscila Freire, diretora Map

guignard004.jpg

“Noite de São João” de Guignard

“Guignard veio para Minas na década de 40 a convite de Juscelino, aqui em BH fundou, no Parque Municipal, a Escola Guignard. Ouro preto foi a cidade que este fluminense escolheu para viver e para virar semente. Mora hoje entre o mar de montanhas que tanto amou, lá no cemitério da Ordem Terceira de São Francisco, adornado pelo Aleijadinho, semeando balões em céus imaginários.” MFA

Fotos do catálogo: Gustavo Marx/Produção de moda: Mariana Sucupira/Beauty: Léo Caffé

Mary Design: mary@marydesign.com.br

Museu Casa Guignard: rua Conde de Bobadela, 110, Ouro Preto, Minas Gerais

PS- Dedico esta matéria ao Oliveros que tinha feito um post, semanas atrás, sugerindo temas brasileiros aos nossos estilistas. Felizmente temos Mary Arantes e Ronaldo Fraga, para nos presentear com a nossa própria cultura

 

 

Anúncios

Uma resposta to “Guignard revisitado”

  1. Rebeca 30 de julho de 2007 às 11:54 am #

    Eu sou completamente apaixonada pelo trabalho da Mary, ela e a marca são fofíssimas mesmo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: